APPMBA diz NÃO a inclusão dos Militares Estaduais na Reforma da Previdência

Postada, 12 de fevereiro de 2019 às 15h03

Considerando o que determina a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da Reforma Previdência enviada pelo ex-presidente Michel Temer ao Congresso e que está sendo alterada pela equipe econômica do atual governo que deve ser votada pelo plenário da Câmara em breve, a Associação de Praças da Polícia e Bombeiro Militar da Bahia- APPMBA, vem a público, se manifestar contrária a qualquer proposta que retira da tropa, direitos já conquistados e garantidos. 

A APPMBA considera equivocada e desrespeitosa a decisão de inclusão dos Militares Estaduais PMs/BMs na referida proposta sem discutir com a base, já que, o texto elaborado no governo anterior, surgiu a partir de um consenso, após várias lutas das entidades que representam a categoria.


A APPMBA ressalta também que, é inaceitável a existência de idade mínima, que se caso aprovada para 65 anos, provocará um envelhecimento inevitável da tropa e que devido ao ritmo estressante da atividade, o risco de morrer em combate, as condições físicas, ambientais e psicológicas de trabalho, as longas jornadas da atividade e tantos outros fatores, resultará na redução da capacidade operacional desses profissionais, que se distinguem de todos os outros, devido as suas peculiaridades e que por estes motivos, deveriam ter um olhar diferenciado na “insigne” Reforma.

Ainda na oportunidade, também reforça a importância de se manter a união e a confiança entre a tropa e as entidades representativas dos PMs e BMs para que juntos, possam dizer NÃO, à tamanha falta de respeito à categoria e lutar por um regime previdenciário diferenciado, justo e merecido.



E por todo o exposto, visando traçar estratégias e entregar uma carta/ofício aos parlamentares com exposição dos reais motivos das necessidades de não inclusão dos Militares Estaduais na tal Reforma, o presidente da APPMBA, SGT PM Roque Santos, participa nesta terça-feira,12, e quarta-feira,13, em Brasília, de ato, juntamente à Associação Nacional das Entidades Representativas dos Militares Estaduais e Corpo de Bombeiros Militares do Brasil (ANERBM). 

Comente!