APPMBA realiza ATO de PROTESTO contra as omissões do governo aos direitos dos policiais e bombeiros militares baianos.

Postada, 03 de julho de 2019 às 19h31

Em manifestação pública realizada ontem, 2, durante o cortejo cívico do 02 de Julho, data em que comemora-se a Independência da Bahia, diretores, associados, familiares e amigos da APPMBA carregaram faixas e cartazes em protesto contra o descaso do Governo da Bahia frente as necessidades dos policiais e bombeiros militares baianos.


Com a frase: “GOVERNADOR, proteção também à família de quem protege. Plano Habitacional não é vaidade, é uma necessidade,” os policiais e bombeiros militares, saíram em Caminhada do Largo da Soledade com destino à Praça Tomé de Souza, em Ato de Protesto, demonstrando a sua insatisfação contra o caos no Planserv, Cassação de Proventos dos VETERANOS, suspensão do Plano de Habitação, entre outros temas relevantes.


Ao longo do percurso, o presidente da APPMBA, SGT PM R/R Roque Santos, conversou com os militares estaduais que se encontravam de serviço ou acompanhando o evento, reforçando a importância da realização do Ato, que segundo ele, representa um momento de luta da categoria por melhores condições de trabalho. “Nossa participação no desfile de 02 de Julho, se consolida a cada ano, pois, entendemos que mobilização como a nossa, além de ajudar a construir a democracia, é uma forma de reivindicarmos nossas demandas e necessidades junto as autoridades”, pontuou.



O presidente, chamou atenção ainda para a questão da habitação, onde segundo ele, há um descaso do governo com os servidores da segurança pública da Bahia.”Um dos objetivos do nosso Ato é chamar atenção do governo para a violência que os nossos policiais e bombeiros militares sofrem nos locais onde moram e para proteger a família, são obrigados a sair da sua casa própria e morar de aluguel. As famílias tornam-se reféns da criminalidade e correm perigo por falta de sensibilidade do Estado em retomar o PROHABIT ou criar um novo plano de habitação que dê segurança aos servidores e principalmente aos militares estaduais, tendo em vista que eles também precisam proteger as suas famílias para então prestar um serviço de segurança de qualidade à sociedade.”

Entre tantas outras reivindicações que ganharam destaque e despertaram a curiosidade daqueles que acompanhavam o cortejo cívico, estava a luta contra a Cassação de Proventos, que significa perda de salário de aposentadoria, caso o militar estadual responda algum processo administrativo e seja condenado, conforme explica o presidente, SGT PM R/R Roque Santos: “O policial na reserva já ultrapassa os 50 anos de idade, logo, é muito difícil ele conseguir uma outra forma de sustento para a família. Nós, aqui hoje, buscamos um olhar diferenciado do governo do Estado e da Assembleia Legislativa da Bahia para que mudem a lei 7.990/2001, no artigo que trata sobre a Cassação de Proventos, que retira direitos já garantidos constitucionalmente daqueles que já contribuíram por 30 anos ou mais com a previdência e ajudaram a garantir o bom funcionamento da segurança pública do nosso Estado." 


APPMBA, só a união nos fortalece.

Comente!